30 de Setembro de 2021

Taxa de desemprego recua para 13,7% em julho, dado melhor do que o esperado, aponta IBGE


InfoMoney

A taxa de desocupação foi para 13,7% no trimestre fechado em julho, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada nesta quinta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Essa foi uma redução de 1,0 ponto percentual em relação ao trimestre encerrado em abril. Isso corresponde a 14,1 milhões de pessoas na fila em busca de um trabalho no país.

O dado foi melhor do que o esperado. A expectativa mediana do consenso Refinitiv era de taxa de desemprego de 13,9% em julho.
Na véspera, foram divulgados os dados de agosto do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), com a abertura líquida de 372.265 vagas de trabalho com carteira assinada. A criação de vagas foi novamente puxada pelo desempenho do setor de serviços no mês, com a criação de 180.660 postos formais, seguido pelo comércio, que abriu 77.769 vagas.


Taxas futuras de juros rondam estabilidade, com viés de baixa, após RTI e Pnad

InfoMoney

Os juros futuros rondam a estabilidade na manhã desta quinta-feira, em meio ao recuo do dólar ante o real e após a divulgação do relatório Trimestral de inflação (RTI) e dados de desemprego da Pnad Contínua, cuja taxa ficou em 13,7% no trimestre encerrado em julho, no piso das estimativas do Projeções Broadcast.

Já o RTI não trouxe novidades em relação à política monetária, disse o economista-chefe da Greenbay Investimentos, Flavio Serrano. “Ritmo segue de 100 em 100”, diz o economista sobre a expectativa de aumento da Selic nas próximas duas reuniões do Copom.

Segundo ele, no entanto, alguma sinalização nesse sentido ainda poderá ser dada na coletiva sobre o relatório com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e o diretor de Política Econômica, Fabio Kanczuk, às 11h.

Às 9h25, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 caia para 10,57%, mesma taxa do ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 recuava para 10,18%, de 10,21% no ajuste de ontem. O vencimento para janeiro de 2022 marcava 9,12%, de 9,13% no ajuste anterior.


BC reforça que ‘prevê’ para próxima reunião do Copom nova alta de 1 ponto da Selic


Valor Investe

O Banco Central (BC) reforçou nesta quinta-feira que “antevê” para a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) nova elevação de 1 ponto percentual da taxa básica de juros. Na semana passada, o BC elevou a Selic de 5,25% ao ano para 6,25% ao ano.

“Para a próxima reunião, o Comitê antevê outro ajuste da mesma magnitude”, disse no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado há pouco, repetindo a mensagem divulgada após o último encontro do colegiado. “O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária.”

O colegiado também reiterou que “considera que, no atual estágio do ciclo de elevação de juros, esse ritmo de ajuste é o mais adequado para garantir a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e, simultaneamente, permitir que o Comitê obtenha mais informações sobre o estado da economia e o grau de persistência dos choques”.

“Neste momento, o cenário básico e o balanço de riscos do Copom indicam ser apropriado que o ciclo de aperto monetário avance no território contracionista”, reforçou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Fale com a gente

×